Back to basics: Como funciona a indústria de meios de pagamento?

 em Produtos

Em um cenário onde dificilmente encontramos um comércio que não aceita cartões, é fácil chegar a uma conclusão: a utilidade do dinheiro físico está sumindo.

Se começarmos a analisar todos os processos que estão envolvidos no simples ato de inserir o cartão em uma maquininha e digitar uma senha, é perceptível o quão complexo  ele pode ser.

Neste artigo explicaremos como o mercado de pagamentos opera e como ele impacta diversos negócios de uma forma geral. A forma com que os agentes da cadeia operam e se comunicam é altamente sofisticada. Se você tem curiosidade sobre o assunto, continue a leitura!

Descomplicando o mercado de pagamentos

Existem alguns agentes que compõem a cadeia dos meios de pagamento e garantem o seu pleno funcionamento. Confira abaixo cada um deles:

 

  • Bandeira: provavelmente você já ouviu esse termo diversas vezes e, com certeza, já consegue visualizar as bandeiras de cartão de crédito mais famosas do mercado. O  Banco Central definiu no chamado “Marco Regulatório da Indústria” que o mercado de pagamento necessita de um agente que determine e gerencie as regras gerais de uma operação de pagamento eletrônico. As bandeiras exercem essa função ditando o funcionamento do sistema de pagamentos com cartões e são também responsáveis por certificar as soluções de captura das transações (o software que roda em uma maquininha por exemplo). Você pode ler mais sobre certificação acessando o link clicando aqui.

 

  • Adquirente (ou credenciadora): os adquirentes são responsáveis por credenciar lojas, restaurantes e outros estabelecimentos a aceitarem os cartões como forma de pagamento, como também são as responsáveis por capturar as transações, transmitir os dados para as bandeiras (número do cartão por exemplo), processar e liquidar as transações financeiras para a conta de recebimento dos estabelecimentos credenciados.  Facilitadores (ou subadquirentes/subcredenciadores) usam as adquirentes para fazer a intermediação dos pagamentos entre todas as partes envolvidas, transmitindo os dados as adquirentes e liquidando na conta dos lojistas. Elas são uma extensão as adquirentes muito usadas em estabelecimentos menores e negócios de nicho, pois conseguem oferecer serviços mais customizados.

 

  • Emissor: Este é provavelmente o termo mais popular quando falamos sobre o mercado de pagamentos. Os emissores detêm a licença das bandeiras para emitir os cartões, oferecer crédito e estabelecer limites aos portadores. Também se responsabilizam por validar se o portador do cartão está liberado para realizar uma transação. Geralmente os emissores de cartões são bancos que já possuem os dados financeiros dos clientes, porém, hoje existem casos no Brasil e no mundo de startups que criaram modelos de negócio baseados na emissão de cartão pré e pós pago e não possuem, necessariamente, uma licença para atuar como instituição financeira. São casos conhecidos como: o Neon, Brex e o Nubank, caso mais conhecido que até pouco tempo não tinha licença para operar como banco e já emitia os famosos cartões roxinhos. São eles que emitem os cartões e liberam limites aos seus usuários. Além disso, são os bancos que aprovam sobre a quantia de crédito a ser utilizada por seu consumidor.

 

(Imagem ilustrativa – Ecossistema dos meios eletrônicos de pagamento)

Compra confirmada no pagamento online

Quando falamos sobre pagamentos digitais (online), a figura do gateway entra em cena, conectando as lojas virtuais com os meios de pagamento. 

E, assim como funciona em um serviço de pagamento presencial, o gateway captura os dados da transação para o adquirente que, por sua vez, se comunica com a bandeira e o emissor do cartão para aprovar uma transação.

Como falamos anteriormente, o emissor é o responsável por liberar limite de crédito ao portador. Numa transação significa que ele valida se aquela pessoa possui limite de crédito no cartão para se aprovar a compra e envia o de acordo para o adquirente. Isso tudo acontece sistemicamente em frações de segundos.

 

Transação aprovada em um pagamento através de maquininha

O processo de compra quando se utiliza um cartão de crédito ou débito pode parecer muito simples, visto que a mensagem de transação aprovada aparece na tela de uma maquininha ou sistema dentro de poucos segundos.

Por trás dessa rapidez que para nós, consumidores, pode parecer óbvia, existe uma comunicação e dinâmica bastante sofisticada. Quando confirmamos uma compra após a digitação da senha, o sistema que roda no terminal inicia todo o fluxo de comunicação da cadeia.

A mesma maneira que funciona para as compras online, funciona para pagamentos no mundo físico. A diferença está na forma que a transação é capturada em pagamentos online, já que a grande maioria dos serviços utiliza o chamado antifraude que é um sistema que analisa o nível de risco da compra. A dinâmica de comunicação entre os agentes da cadeia é a mesma.

 

Porque os lojistas que passaram a aceitar cartões aumentaram suas vendas?

As tendências da indústria de cartões indicam que os consumidores, continuam a usar seus cartões de débito e crédito mais e mais a cada ano que passa. A aceitação de cartões de crédito e débito podem aumentar significativamente as vendas dos lojistas e ampliar suas base de clientes. Muitas pessoas passaram a não carregar dinheiro físico. 

As Bandeiras criaram marcas tão fortes que aceitar cartões de crédito passou a significar credibilidade para os comerciantes. Exibir os logotipos das bandeiras em um site, ou loja física passou a atrair a atenção dos compradores que utilizam esses cartões, lhes transmitindo uma sensação de confiança.

Estabelecimentos que ainda não aceitam cartões correm o risco de perder centenas de potenciais clientes que não estão dispostos a pagar em dinheiro, ou que não possui outros meios para fazer seus pagamentos. Quanto mais convenientes as opções de pagamento para os consumidores, maior será a propensão a compra o que automaticamente leva a um aumento nas vendas.

Conveniência em pagar utilizando cartões

Todo o consumidor gosta de completar transações de forma rápida e fácil, sem ter que preencher um cheque ou correr para um caixa eletrônico para sacar dinheiro. Isso limita despesas aos fundos disponíveis. Estudos indicam que os clientes tendem a gastar mais quando pagam com cartões de crédito, especialmente em relação às compras por impulso. 

No cenário de compras no e-commerce, a aceitação é essencial já que a confirmação da compra é imediata o que não acontece com boletos, por exemplo, onde ela pode demorar até 72 horas para ser confirmada.

As transações de cartão de crédito, são processadas eletronicamente e liquidadas rapidamente, com os ganhos normalmente depositados em uma conta bancária de forma rápida e eficiente. Isso significa que não há mais espera para a compensação de um cheque ou cobrança e aguarda de coleta de dinheiro físico para pagar um serviço. 

Muitos comerciantes descobrem que, o aumento nas vendas geradas pela aceitação de cartões de crédito, geralmente compensou os custos envolvidos, tornando a conta comercial um excelente retorno sobre o investimento. Além disso o cartão de crédito oferece a possibilidade de se parcelar uma compra o que aumenta a propensão do cliente a consumir. 

Para os comerciantes, o pagamento através do cartão facilita o controle financeiro, a gestão do fluxo de caixa com a antecipação dos recebíveis futuros e a escolha de quando receber por um montante. Desta forma, se torna possível ter um gerenciamento muito mais completo das vendas e do seu negócio, podendo visualizar e controlar melhor os rendimentos e planejando ações para o futuro.

 

Como o mercado de pagamentos pode impactar o seu negócio?

Foi-se o tempo em que criar uma maquininha com marca própria era algo apenas para grandes empresas com alta capacidade de investimento.

Para quem oferece serviços como delivery, sistemas para restaurantes, sistemas para consultórios, marketplaces entre outros modelos de negócio tornou-se uma grande vantagem competitiva se tornar uma fintech e oferecer serviços que agreguem pagamentos e cobranças.

O meio de pagamento passou a ser uma forma de controlar toda a experiência do cliente. Sendo assim, você pode oferecer seu produto principal e participar do fluxo financeiro do seu cliente de uma forma mais personalizada do que os grandes players. Além disso, ao criar seu próprio sistema de pagamentos, você aumenta a sua receita, podendo ganhar com cada transação realizada, garantindo uma renda a mais para seu negócio.

Em um mundo onde praticamente o uso do cartão não para de crescer, se tornar uma fintech neste setor é algo que virou altamente atraente para várias empresas. Para as que já possuem uma base de vendedores e comerciantes isso significa atacar a própria base de clientes.

 

Por que se tornar uma fintech nesse setor pode ser um excelente negócio ?

Pode ser que você nunca tenha ouvido falar no termo fintech, mas elas estão com uma presença cada vez mais forte em todo o mundo. As fintechs são empresas do segmento financeiro que usam da tecnologia para promover serviços mais modernos, convenientes e fáceis de usar.

Neste ponto, então qual seria a diferença por exemplo entre uma fintech e um banco tradicional? Bom, a grande vantagem de uma fintech é que ela tem como base a tecnologia.

Como falamos anteriormente, ela busca soluções inovadoras, práticas e abertas, sem as burocracias que percebemos nos meios mais tradicionais. Hoje, qualquer pessoa é capaz de realizar investimentos, pagamentos, transferências, apoiar projetos e muito mais pelo celular, e sem a necessidade de sair de casa para isso. Neste sentido, muitos mercados têm inovado para tornar os serviços financeiros mais acessíveis e melhores para os clientes.

Um exemplo disso é o iFood. No início das operações, os pagamentos eram feitos diretamente para os restaurantes que, posteriormente, pagavam um boleto para acertar a cobrança da conveniência dos pedidos em seu marketplace.

Isso gerava alguns problemas para o iFood e para os restaurantes. A inadimplência era o principal. Quando o iFood começou a fornecer um serviço próprio de entregas com maquininhas ele ajudou os restaurantes na logística e os pagamentos passaram a ser geridos pelo iFood. 

Além de oferecer mais opções de pagamento para o seu cliente e do restaurante, aumentando a conveniência, eles possuem um sistema todo personalizado, diminuíram a inadimplência e conseguem fazer o split (ou a divisão) de pagamentos de uma maneira muito mais fácil.

Um aspecto importante que afasta empreendedores do setor é o grande número de adequações que um negócio precisa fazer para estar apto a operar nesse mercado. Hoje já existem empresas como a Zoop que possuem plataformas prontas para se começar a operar com pagamentos e serviços financeiros. 

Como vimos ao longo do artigo, o setor de meios de pagamento vai muito além das maquininhas e dos cartões de plástico. São vários os agentes e comunicações necessárias para que uma compra seja aprovada, mesmo que, para o consumidor, uma transação dure apenas alguns segundos.

Felizmente, com o avanço da tecnologia, o universo de pagamentos vem se tornando cada vez mais acessível para todos, tanto consumidores, lojistas e você, que quer empreender no setor.

 

Fique ligado em nosso blog e acompanhe nossos conteúdos!

Eduarda Camargo é publicitária, responsável pela Comunicação Corporativa na Zoop. Possui experiência no setor Financeiro e é entusiasta do mercado de pagamentos.

Comentários pelo Facebook
Postagens Recentes